.:GESE:.

Adicionado 13/07/2012

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

O EVANGELISMO E A RESSOCIALIZAÇÃO DOS MENORES INFRATORES NO ESTADO DO PARANÁ .


22/11/2016

Secretário da Justiça reúne-se com voluntários das unidades socioeducativas

O secretário de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Júnior, reuniu-se com os diretores e voluntários que promovem atividades religiosas nas unidades socioeducativas de Curitiba e Região Metropolitana.

“Acredito que este trabalho em conjunto tem surgido efeito na vida dos adolescentes. Essas atividades serão ampliadas e novas ações criadas para serem trabalhadas na ressocialização do adolescente que cumpre medida socioeducativa”, afirmou Artagão.

O encontro serviu também para discutir novas ações no sistema socioeducativo do Paraná. Segundo o pastor Anderson Castro, da Igreja Missionária Betesda, de Araucária, e coordenador responsável pelo grupo de igrejas participantes das ações nas unidades, o objetivo é dar continuidade a uma ação. “Já fazemos este trabalho no sistema penitenciário e também estamos no sistema socioeducativo. Agora é aumentar o fluxo de atividades nas unidades, a fim de direcionar o adolescente para um caminho de luz, onde ele possa ter um futuro com oportunidades e não apenas ser um homem que não teve oportunidades na vida”, disse.

Para a coordenadora Interdiocesana Curitiba da Pastoral Carcerária, Cleusa Moreira, as atividades são frutos para o caminho desses jovens. “Os adolescentes muitas vezes saem da socioeducação e acabam voltando, pois não encontraram o caminho certo, e nós com a palavra de Deus tocamos neste lado deles que não é visto e pouco conhecido”.

O diretor do Departamento de Atendimento Socioeducativo, Pedro Giamberardino, disse que nessa primeira reunião todos puderam apresentar suas atividades, acentuando assim todas as dúvidas, para que nos próximos encontros seja possível incluir novas atividades.

Participaram da reunião o coordenador geral da Secretaria, Elias Thomé; o diretor-geral Hatsuo Fukuda, diretores das Unidades Socieoducativas de Curitiba; da Região Metropolitana de Curitiba e as Igrejas Universal; Deus é Amor; Abba; Aliança Cristã; Missão Cristã; Católica; Cristãos da Fé; Batista Cajuru; Quadrangular Bairro Alto; Evangélica Missionária Betesda; Congregação Cristã do Brasil.

Fonte :  SEJU Pr.
Reunião na SEJU  , com o secretário Artagão Junior.



Pastor Hugo Chavez , sua esposa Denise e equipe trabalham no evangelismo e ressocialização dos menores infratores 

Educandário Piraquara .

Educandário São José dos Pinhais .

Pastor Hugo Chavez e irmã Denise Chavez.
Confraternização dos adolescentes e familiares.

OREMOS PELOS ADOLESCENTES INFRATORES!!

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

COMPLEXO PENAL DE PEDRINHAS (MARANHÃO) : NO CAMINHO DA RESSOCIALIZAÇÃO !!


Das muitas marcas do primeiro ano do governo Flávio Dino, a que mais chama atenção até a nível internacional é a mudança radical do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A penitenciária que antes era uma vergonha para o Maranhão em todo o mundo com decapitações, fugas em massa, rebeliões e até denúncia de canibalismo, hoje é notícia apenas por ressocialização e trabalho.
A desarticulação das facções criminosas pelo sistema de segurança fez com que Pedrinhas deixasse de ser um Centro de Comando do crime para dar oportunidade aos presos que querem mudar de vida. Esta semana, foi inaugurada a panificadora  na UPR Feminina de Pedrinhas. A estimativa é que, por dia, sejam produzidos mais de 500 pães e pelo menos 2 mil salgados e bolos de vários tipos pelas internas que aderiram ao programa.
O Complexo Penitenciário de Pedrinhas vem passando por um processo de revitalização estrutural realizada com mão de obra de 35 internos. A partir da construção da primeira fábrica de blocos de concreto e meio-fio, inaugurada em outubro, eles estão finalizando a pavimentação do estacionamento do Centro de Detenção Provisória (CDP). até incentivo para fazerem a prova do Enem, aumentando em 30% a participação no Exame
A primeira fábrica de chinelos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, instalada na Casa de Detenção (Cadet), começou a funcionar. Inicialmente 16 detentos estão trabalhando na produção das sandálias, cuja estima é que, por dia, sejam feitos, em média, 150 pares. O empreendimento representa mais uma das ações do Governo do Maranhão com foco na profissionalização dos apenados.
Pastor Hugo Chavez trabalha evangelizando e ressocializando pessoas encarceradas no Estado do Paraná. 

Pastor Hugo , hora do almoço no pátio da unidade .

Curso voluntário e gratuito de lingua espanhola leccionado pelo pastor Hugo no presídio feminino,

Batismo em presídio de segurança máxima ,

Acompanhamento de internos de lingua espanhola .

Casamento dentro de unidade fechada.

A palavra de Deus e o instrumento principal.

Batismo de casal em presídio fechado.

Os diretores das unidades tem compreendido que a palavra é o caminho para a transformação dos internos.  

Louvor a Deus pelo coral formado pelos internos.

Muitos internos tem alcançado a libertação , sendo discipulados e batizados .

Entrega de Bíblias do Projeto "BÍBLIAS NOS PRESÍDIOS"

Pastor Hugo e sua esposa Denise .
Mediante a palavra de Deus e com o apoio de diretores de unidades do Paraná o Pastor Hugo tem ajudado a ressocializar e recuperar os encarcerados , este e o melhor caminho para diminuir a criminalidade.                  AJUDE O PASTOR HUGO A CONTINUAR COM ESTE TRABALHO !! 

PRESÍDIOS BRASILEIROS : DOIS PESOS , DUAS MEDIDAS !!


Anthony Garotinho e Sergio Cabral foram presos. Ao anúncio da prisão seguiram-se informações sobre o cardápio do jantar de Cabral e as más-condições da UPA de Bangu para a saúde de Garotinho.
Clarissa Garotinho chegou a descrever a decisão de transferência do pai como “desumana”. De Cabral, soubemos que era servido por um joalheiro particular e que, agora, come pão com manteiga no café da manhã e abundância de carboidrato no almoço e no jantar.
Da família Garotinho, acompanhamos detalhes sobre a falta de condições para cuidar de presos doentes. A cena de sua transferência do Hospital Souza Aguiar para a UPA de Bangu foi filmada, e os gritos desesperados de Clarissa Garotinho anunciavam que o pai poderia morrer pela falta de assistência.
Não é cena fácil despedir-se de um pai adoecido que parte para um presídio. Os gritos de Clarissa Garotinho pareciam sinceros; o desespero pela desumanidade dos presídios era honesto.
É assim que vivem mais de meio milhão de homens e mulheres no Brasil, o país que disputa, a depender dos critérios de classificação, o terceiro ou quarto lugar em maior número de encarceramento no mundo.


Todos os dias, filhas anônimas choram por seus pais torturados em delegacias, abandonados em presídios, ou sem direito a tratamento médico.
O presídio de Bangu tem uma UPA, uma novidade para o cenário dos presídios brasileiros, cuja assistência em saúde é feita por um médico que visita a unidade de tempos em tempos. Nas unidades femininas, a médica, quando existe, é especialista sem fronteiras – cuida de alergias a loucuras, pré-natal ou fraturas.
Clarissa Garotinho disse que a justiça deveria ser “proporcional” em suas decisões. É verdade, só não sei se o argumento se aplica à ordem de prisão ou de transferência do pai, Anthony Garotinho, mas proporcionalidade deveria ser o critério do justo para os milhares de presos no país.
Há algo de desproporcional em prender mulheres por um punhado de droga nas cavidades naturais, como dizem os juristas, e, no mesmo recinto, acomodar os que roubaram milhões dos cofres públicos.
Há muita desproporcionalidade em a multidão dos presídios ser de gente pobre e preta, e os recém-chegados brancos e da elite.
Se esses políticos roubaram mesmo, a justiça irá dizer. Mas se roubaram o tanto que dizem, eles deveriam ter sido mais prudentes: o risco da cadeia é concreto para quem rouba, então, por que não cuidaram dos presídios nem que fosse em interesse próprio?
Porque nunca se imaginaram presos seria a resposta óbvia.
Como não mudaram o sistema penitenciário do Rio de Janeiro, nem mesmo por motivações egoístas, agora acompanhamos formas novas de noticiar as condições de vida nos presídios.
Saúde, cabelo ou comida não nos preocupam quando é o povo do morro preso, mas importa muito quando é gente da elite presa. Os presídios ganham suas cores de inferno quando se imagina homens da elite branca ali enclausurados.
Eu não tenho dúvidas de que os presídios brasileiros são espaços de abandono, maus tratos, desumanidade – só que o são antes da chegada de Garotinho ou Cabral, e são para centenas de milhares de anônimos sem acesso à defesa justa.
Homens e mulheres morrem por falta de acesso à saúde nos presídios brasileiros, mulheres são transferidas para o parto em condições degradantes.
Esses mesmos políticos que consideram, agora, degradante e injusta a prisão poderia ter mudado o cenário dos presídios brasileiros. Nem que fosse em interesse próprio.
Fonte Carta Capital.
A NOSSA PARTE NOS ESTAMOS FAZENDO !!

Pastor Hugo Chavez trabalha no Paraná no evangelismo e ressocialização dos encarcerados .


Batismo de presidiários , presídio segurança máxima .


Entrega de Bíblias .

Batismo no pátio da galeria , presídio segurança máxima.


Ajude o Pastor Hugo para que ele possa continuar no trabalho de recuperação dos encarcerados .

terça-feira, 15 de novembro de 2016

EVANGELISMO PRISIONAL : NOÇÕES BÁSICAS , COMO É PORQUE FAZER ?

O Senhor Jesus está interessado em salvar não apenas os enfermos, mas igualmente os presos. Vejamos porque devemos evangelizar nos presídios, e depois vejamos como nós podemos fazer isso. Jesus não veio para os sãos e sim para os doentes, não veio para os justos, mas para os injustos, não veio para os salvos, mas para buscar e salvar os perdidos (Luc 19:10; Mat 9:10-13).
O ministério de Jesus consistia em proclamar libertação aos cativos (Luc 4:18). O Senhor Jesus está identificado não apenas com os enfermos, mas também com os presos. É por isso que Ele disse: “Estive na prisão, e fostes ver-me” (Mat 25:36). Então os cristãos perguntarão: “Quando te vimos na prisão, e fomos visitar-te ?” E então responderá Jesus: “Sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes” (Mat 25:40).
Na Carta aos Hebreus, o escritor exorta aos seus leitores que se lembrem dos presos como se estivessem presos (Heb 13:3).
Todas essas passagens bíblicas, tudo quanto falamos nos parágrafos acima, deve motivar-nos a evangelizar os presos.
Como Evangelizar nos Presídios
Assim como há normas para visitação nos hospitais, assim também há normas para visitar nos presídios. Os cristãos devem respeitar essas normas. Elas visam à boa ordem nos presídios e à segurança de todos. Infringir tais regulamentos, sob o pretexto de que Deus nos guarda e não permitirá que coisa alguma de mau aconteça é imprudência.  O candidato a evangelização em presídios  deve integrar um grupo autorizado junto a gerência dos voluntários, submetendo-se ao cadastramento e adquirindo o credenciamento das autoridades responsáveis pela administração penitenciária de cada Estado. 
A evangelização nos presídios deve contar com literatura especial. A literatura usada na evangelização nos hospitais não é a mesma a ser usada nos presídios. Há poucas exceções a esta regra. Isto é, há poucos folhetos que podem ser usados nos dois ambientes distintos. Portanto, leia o material a ser distribuído nos presídios, e certifique-se se tal material é o mais indicado.
Em sua fala nos presídios, procure sempre incluir-se entre os pecadores, entre os que necessitam do amor de Deus.
Procure observar os regulamentos do presídio. Não se coloque na posição de juiz nem de advogado dos presos. Você é um arauto de Deus. Você está ali como um pregador das boas-novas. Faça isso. Compartilhe o amor e o perdão de Deus para com os homens As sugestões abaixo frutificaram a partir da experiência adquirida durante os vários anos em que participamos rotineiramente das visitas aos irmãos encarcerados nos presídios do Estado do Paraná.
1.    Vestir-se moderadamente. No caso das mulheres, evitar roupas transparentes e colantes no corpo. Preferir roupas soltas, que cubram os quadris, com a maior naturalidade possível e de cor clara. Existe uma norma relacionada à segurança prisional que proíbe o acesso intramuros (dependências internas) trajando roupas escuras (pretas) ou a cor dos uniformes das unidades (laranja ou vermelho).
2.    No contato direto com os reeducandos, evitar abraços ou intimidades que possam perturbá-los emocionalmente. É natural que alguns tentem uma aproximação maior, dado as condições em que vivem, segregados da família e da sociedade. Compete ao visitante manter uma postura de comportamento adequado dentro do grupo.
3.    À medida em que o visitante passa a conhecer melhor o ambiente prisional, constatará que a forma de tratamento entre os próprios reeducandos é carregada de adjetivos afetuosos, apelidos, etc. Muito cuidado para não incorporar estes hábitos, procurando aprender e declinar os nomes próprios.
4.    Tudo que nos propomos fazer, requer preparo espiritual, ao iniciarmos e ao findarmos quaisquer atividades. Assim, logo ao amanhecer, façamos orações de agradecimento pela oportunidade, com pedido de proteção para o grupo e para os irmãos assistidos. Após o encerramento da visita, reunirem-se para a oração final de agradecimento.
5.    Observar as normas de segurança relativas a alimentos e outros objetos: – “não é permitido levar para os  internos frutas cítricas, tais como, abacaxi, laranja, uva, objetos cortantes, etc.”
6.    Selecionar livros e revistas que serão ofertados. Devem conter material instrutivo e nada que desperte animosidade, libido, etc.
7.    Inteirar-se com antecedência do conteúdo doutrinário, as melhores técnicas e formas de abordagem utilizadas pelo grupo, com prioridade para as lições evangélicas.
8.    Avisar com antecedência ao coordenador do grupo, quando houver algo que impeça o seu comparecimento no dia pré-estabelecido para a visita.
9.    A cada integrante deste voluntariado, cabe o dever de divulgar os trabalhos, procurando arrebanhar novos integrantes como assim também ajudar contribuindo com recursos financeiro ou captando eles.
10.    A oração e a vigilância são pontos indispensáveis para o êxito do programa a ser desenvolvido. Em especial aos coordenadores e integrantes e recomendado buscar a Deus em oração constantemente (vigílias , monte ou grupos de oração nas igrejas) ACIMA DE TUDO E NECESSÁRIO TER CHAMADO E AMOR PELOS ENCARCERADOS !!
 Pastor Hugo Chavez evangeliza e trabalha na recuperação dos encarcerados no Estado do Paraná . A palavra de Deus tem sido o instrumento fundamental para este trabalho ter produzido resultados muito positivo . A entrega de Bíblias do Projeto "BÍBLIAS NOS PRESÍDIOS" tem ajudado muito na transformação e libertação de uma grande quantidade de internos , homens e mulheres .

















 AJUDE A CONTINUAR COM A OBRA DE RECUPERAÇÃO DOS ENCARCERADOS  !!
LEMBRAI-VOS DOS PRESOS .......  Hebreus 13/3