.:GESE:.: Julho 2013

Adicionado 13/07/2012

quarta-feira, 31 de julho de 2013

PENITENCIÁRIA FEMININA DE GUAÍBA (R.S.): UNIDADE OCIOSA?

Cumprindo pena desde 2011 na Penitenciária Feminina de Guaíba, a gestante de 32 anos foi transferida para a Penitenciária Feminina Madre Pelletier, em Porto Alegre, com dois meses de gravidez.

Em uma ala improvisada, ela divide espaço com outras 16 grávidas e mais 10 lactantes. Enquanto isso, na cadeia da cidade vizinha, onde ela estava, uma unidade inteiramente projetada e equipada para atender 24 mães com seus bebês custou R$ 300 mil e tem apenas duas vagas preenchidas.
Um alojamento virou depósito de berços, carrinhos de bebê, cadeiras de alimentação e armários modulados. Os móveis foram doados por empresários para equipar os dormitórios, mas estão lacrados e empilhados, sujeitos à deterioração, sem nunca terem sido usados. 

No mesmo corredor, o refeitório onde mulheres deveriam estar alimentando seus filhos é usado por agentes da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) para fazer as refeições.

— Com o espaço ocioso, começam os desvios. Quando se investiu na construção desta estrutura não se planejou a equipe necessária para colocá-la em funcionamento — lamenta o juiz Paulo Augusto Irion, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre.

Desde a inauguração da Unidade Materno-Infantil (UMI), no final de 2011, apenas sete mães com bebês estiveram na cadeia. A unidade não tem nenhum agente penitenciário.
A falta de escolta dedicada ao setor é impeditivo também para que gestantes permaneçam na penitenciária — como não há maternidade em Guaíba, os partos precisam ser feitos na Capital, e as detentas poderiam ficar sem custódia para o deslocamento.

Diante desse cenário, um acordo foi estabelecido entre as casas prisionais: gestantes são encaminhadas para o Madre Pelletier, onde ficam até seus filhos completarem seis meses. Então, são transferidas para a penitenciária de Guaíba. Com um ano, a criança sai da cadeia e fica sob a guarda de familiares enquanto a mãe cumpre pena. Para o juiz Irion, se houvesse agentes em número suficiente, as mães poderiam ser encaminhadas a Guaíba com os bebês recém-nascidos.

— Aqui eles teriam muito mais conforto, inclusive térmico. O presídio é novo, não tem vidros quebrados e a instalação elétrica permite a climatização — enumera o assistente social Roberto Vucetic.


Ala improvisada no Madre Pelletier abriga 17 grávidas e 10 lactantes
Foto: Ronaldo Bernardi, Agência RBS


No Madre Pelletier, um aparelho de ar condicionado apenas enfeita a parede de um dos alojamentos — não pode ser instalado porque a rede não aguentaria, e apenas um chuveiro tem água quente, segundo as detentas. Em Guaíba, todos os quartos têm água aquecida por central de gás e a sala de recreação é climatizada.

Agentes penitenciários fazem falta também no Pelletier: apenas um acompanha a coordenadora da UMI, o que muitas vezes obriga as mães a ficarem confinadas nos alojamentos, sem poder levar as crianças para o pátio ou usar a sala pedagógica. Criam pequenos encarcerados.


O que diz Maria José Diniz, coordenadora penitenciária da mulher da Susepe
"Temos um sério problema na rede de saúde do município de Guaíba. Foi montada uma unidade básica, junto ao município, que não está sendo cumprida. São sete profissionais, sendo hoje quatro da Susepe, para tentar suprir essa necessidade. O município está entrando com três: uma técnica de enfermagem, um clínico e um pediatra. Estamos cobrando do município de Guaíba, porque também achamos que lá é um espaço muito bom e precisamos de mais espaços para mulheres que querem ficar com seus filhos em situação de prisão. Sabemos da dificuldade também de agentes penitenciários, mas a Susepe está com a proposta de um novo concurso, porque com o ganho da aposentadoria especial, um grande número de agentes acabou se aposentando. Com esse novo concurso, vamos sanar essa questão para que nossa parte também seja cumprida, que é dar condições de segurança. É um compromisso nosso ocupar aquele espaço o mais rápido possível."
O que diz a secretária de Saúde de Guaíba, Liliana Altmayer
"Não foi criada uma equipe específica para o presídio, deslocamos profissionais de outras unidades básicas para atender lá. Temos dois clínicos em quatro turnos, sendo que um deles é ginecologista e atende terças e quintas no presídio. Temos ainda um pediatra que faz consultas uma vez por semana e um técnico de enfermagem. A Susepe disponibiliza psicólogos e assistentes sociais diariamente. O repasse da Susepe à Prefeitura para esta equipe de saúde é de R$ 8 mil, como contrataremos profissionais de nível superior com esse valor?"

LEMBRAI-VOS DOS PRESOS....   Hebreus 13/3

JOVEM ESQUECIDO EM PRESIDIO DOS ESTADOS UNIDOS RECEBEU 4,1 MILHÕES DE DÓLARES DE INDENIZAÇÃO.

Um estudante esquecido durante cinco dias, sem comida ou água, numa prisão nos Estados Unidos recebeu 4,1 milhões de dólares (3,1 milhões de euros) do governo norte-americano.
 
Jovem esquecido em prisão sobreviveu a beber urina
Daniel Chong
 
Daniel Chong, de 25 anos, sobreviveu bebendo a própria urina, depois dos agentes da agência norte-americana de combate ao narcotráfico (DEA) terem ignorado a sua presença na cadeia de San Diego (Califórnia).
O estudante universitário tinha fumado marijuana em abril de 2012, em casa de um amigo, quando foi detido com outras oito pessoas numa operação da DEA, adiantou o "Los Angeles Times".
Chong ficou esquecido na cela e rapidamente perdeu peso, chegando ao ponto de conseguir soltar-se das algemas, informou o jornal californiano.
Incapaz de escapar da cela, Chong teve que beber a própria urina para evitar a desidratação e começou a ter alucinações, temendo que iria morrer antes de a ajuda chegar.
Quando foi finalmente descoberto, Chong estava coberto com as próprias fezes e severamente desidratado.
Perto de uma insuficiência renal e a respirar com dificuldade, Daniel Chong foi levado para o hospital e precisou de cinco dias para recuperar, segundo o jornal norte-americano.
"Foi um acidente realmente muito, muito mau, terrível", disse o jovem em conferência de imprensa, na terça-feira.
A compensação foi supostamente aprovada pelo departamento de justiça, que recusou comentar o acordo ao jornal.
O advogado de Chong disse que o estudante teve que submeter-se a psicoterapia intensiva e sofre de "stress" pós-traumático, desde a experiência, afirmando que esta situação "nunca deveria acontecer a qualquer ser humano à face da terra".

EIS QUE JÁ ESTAS SÃO ; NÃO PEQUES MAIS , PARA QUE NÃO TE SUCEDA ALGUMA COISA PIOR. 
                                                           JOÃO 5/14

segunda-feira, 29 de julho de 2013

CASA DE CUSTODIA DE CURITIBA : UNIDADE DE SEGURANÇA MÁXIMA , 650 DETENTOS , OREMOS POR ELES.

Estabelecimento penal de segurança máxima, destinado a presos provisórios do sexo masculino.

Inaugurada em 07 de agosto de 2002, está localizada na Cidade Industrial de Curitiba.
José Cheifret, S/N - Cep 83707-690
CIC - Cidade Industrial de Curitiba
Curitiba - Paraná
Caixa postal 8871 CEP 80611-970
Fone: (41) 3614-2800
E-mail: ccc@depen.pr.gov.br
Diretor: Edwaldo Willis de Carvalho
Vice-Diretor: Emerson das Chagas

Apresentação

Construída de acordo com os padrões de prisões norte-americanas, o uso de material pré-moldado e de blocos de concreto impede a escavação de túneis, dificultando ainda mais as fugas.
 

É equipada com painéis de controle de segurança dos mais modernos, com todas as portas automatizadas, sendo possível controlar a segurança mesmo da parte externa do prédio de carceragem. Com o término da gestão terceirizada, em 10/05/2006, o Estado retomou todos os serviços, seguindo os padrões estabelecidos na Lei de Execuções Penais. È oportunizado ao preso receber assistência jurídica, psicológica, social, de saúde, religiosa, além de desenvolver atividades que propiciam a reintegração social 

SegurançaA segurança externa é realizada por policiais militares do Batalhão de Polícia de Guarda. A segurança interna è executada pelos agentes penitenciários, contando com os seguintes recursos e equipamentos:

  •  Portões automatizados;
  • Quadrante suspenso;
  • Monitoramento por câmeras de vídeo;
  • Sistema de alarme e som (sirenes eletrônicas);
  • Detector de metais (fixo e móvel);
  • Rádios transreceptores.
  • Aparelho de Raio X.

Estrutura Física

  •  Área do terreno: 21.735m²
  •  Área construída: 4.760m²
  •  Número de celas: 108
  •  Número de presos por cela: 4
  •  Capacidade de vagas: 412





Diretores
Período
Cel. Justino Henrique de Sampaio Filho
07/08/02 a 31/12/02
Renato Ribeiro Peres
03/01/03 a 02/07/03
Cinthya Maria Mattar Bernadelli Dias
14/07/03 a 30/09/04
Raul Leão de Araújo Vidal
10/2004 a 13/04/05
José Luiz Silva Ribas
14/04/05 a 19/10/05
Rita de Cassia Rodrigues C. Naumann
19/10/05 a 18/09/08
José Guilherme Assis
18/09/08 a 28/07/10
Gamaliel Bueno Galvão Filho
28/07/10 a 03/01/11
Edwaldo Willis de Carvalho
04/08/11 a

LEMBRAI-VOS DOS PRESOS , COMO SE ESTIVÉSSEIS PRESOS COM ELES...Hebreus 13/3 

RÉUS DO CASO CARANDIRU PODEM PEGAR ATÉ "876" ANOS DE PENA , SEGUNDA ETAPA DO JULGAMENTO COMEÇA HOJE 29/7

Nesta segunda-feira (29/07), na capital paulista, começa a segunda parte do Tribunal do Júri do Massacre do Carandiru. Serão julgados, no Tribunal da Barra Funda, os 26 policiais militares (nove deles ainda na ativa) integrantes do 1º Batalhão de Choque, acusados da morte de 73 detentos no terceiro pavimento do Pavilhão 9 do antigo presídio.
Fernando Pereira Filho, promotor de justiça, declarou que, para essa segunda fase, existem provas materiais ainda mais evidentes do que no primeiro julgamento da existência de um massacre dos policiais. No primeiro julgamento foram condenados 23 dos 26 policiais acusados da morte de 13 detentos no segundo pavimento.
O promotor Eduardo Olavo Canto destacou o fato de quase 70% do total das mortes do massacre terem ocorrido no terceiro pavimento. “Não só pela quantidade de tiros: os exames mostram o excesso criminoso. Temos os disparos feitos dentro das celas, há trechos do laudo dizendo, claramente, que houve tiros em rajadas”, disse ele.
O primeiro julgamento ocorreu entre 8 e 20 de abril. Na época, os policiais receberam uma pena de 156 anos de reclusão cada um, em regime inicial fechado. Se forem responsabilizados pelas 73 mortes do terceiro pavimento, os réus podem ser penalizados em 876 anos de pena.
Os promotores explicaram que, inicialmente, 30 policiais eram acusados pelas mortes do terceiro pavimento. Porém, três deles morreram e um foi considerado inimputável por insanidade mental. Além disso, o número de mortos no terceiro pavimento é de 78 detentos. No entanto, cinco deles foram mortos por um único coronel do Batalhão de Choque, que será julgado separadamente, pela conduta individualizada.
Serão ouvidas oito testemunhas de acusação, além do aproveitamento de oitivas já feitas de três testemunhas, que serão exibidas em vídeo. A defesa convocou cinco testemunhas, incluindo o perito Osvaldo Negrini Neto, que será ouvido novamente.
O juiz responsável será Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, em substituição ao juiz José Augusto Nardy Marzagão, que atuou no primeiro julgamento. A previsão dos promotores é que essa segunda parte do julgamento se encerre até sábado (2).
O caso Carandiru ficou conhecido como o maior massacre do sistema penitenciário brasileiro. No dia 2 de outubro de 1992, os policiais acusados entraram no Pavilhão 9 da Casa de Detenção para reprimir uma rebelião. A ação resultou em 111 detentos mortos e 87 feridos.

ARREPENDEI-VOS , PORQUE É CHEGADO O REINO DOS CÉUS.    Mateus 4/17b


sábado, 27 de julho de 2013

VEJAM A ALEGRIA DESSAS DETENTAS BRASILEIRAS CANTANDO HINO EM ESPANHOL DENTRO DO PRESIDIO.


Só Deus pode levar alegria para dentro do presidio , se é dificil para o homem estar preso , imaginem a situação das mulheres .
Como mostram as pesquisas , o perfil das detentas brasileiras e bem definido, jovens , negras ou pardas e de baixa escolaridade.
A grande maioria tem filhos , e entraram no mundo do tráfico para sustentá-los , hoje sofrem pela separação destes filhos , sendo a maior causa de sofrimento para estas mulheres.
Porém um raio de luz surge em meio das trevas que elas vivem , é a esperança que nasce quando conhecem a palavra de Deus.
Pastor Hugo Chavez vem evangelizando e ressocializando presidiários e menores infratores faz algum tempo , ele achou uma forma simples de levar um pouco de alegria e esperança para eles , oferecendo cursos voluntários de lingua espanhola.
Além de pregar a palavra , orar por elas e suas familias , pastor Hugo lhes ensinou a cantar hinos ,  o que motivou estas mulheres a lutar por uma nova vida em Jesus Cristo .
O trabalho do pastor e sua esposa Denise , e equipe é voluntária e requer recursos financeiros que muitas vezes não existem.
Não contamos com recursos públicos nem privados , por isso apelamos a pessoas que sejam tocadas por Deus para nos ajudar , contribuindo com esta causa , deixamos nosso telefone para quem desejar contribuir.           9795-9756 Pastor Hugo Chavez
DIOS LOS BENDIGA!!!

Lembrai-vos dos presos , como se estivesséis presos com eles , e dos maltratados , como sendo-o vós mesmos tamb~em no corpo.   HEBREUS 13/3

quinta-feira, 25 de julho de 2013

PERFIL DAS PRESIDIÁRIAS BRASILEIRAS : JOVENS , NEGRAS OU PARDAS E DE BAIXA ESCOLARIDADE.

A população carcerária feminina aumentou 256% em 2012 informou, hoje (25), o diretor do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Augusto Rossini, órgão vinculado ao Ministério da Justiça. O aumento no caso dos homens foi quase a metade no mesmo período, 130%. Atualmente, 7% de todos os presos no Brasil são mulheres, o que corresponde a algo em torno de 36 mil detentas. Há mais de 550 mil pessoas em presídios no país e um déficit de 240 mil vagas, das quais 14 mil são para mulheres.
O diretor participou do seminário Inclusão Produtiva nos Presídios Femininos do Centro-Oeste, na 6º edição do Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. De acordo com Rossini, dois fatores importantes para o aumento da população carcerária feminina são o crescimento da participação da mulher em diversas atividades, inclusive na criminalidade, e o repasse de atividades criminosas à mulher, por cônjuges, namorados ou irmãos, quando eles mesmos são presos. A maioria das detenções estão relacionadas com o tráfico de drogas, sem registros de criminalidade associado à violência.
Dados do Ministério da Justiça mostram que o perfil das mulheres presas no Brasil é formado por jovens, dois terços do total têm entre 18 e 34 anos; negras, 45% são pretas ou pardas, de acordo com a nomenclatura do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); responsáveis pelo sustento da família, 14 de cada 15 mulheres; e com baixa escolaridade, 50% têm ensino fundamental incompleto.
Esse perfil reforça a ideia que as presidiárias são marginalizadas e que, quando retornam à sociedade depois de cumprida a pena, têm dificuldade de se inserir no mercado de trabalho, o que intensifica a reincidência no crime. A chefe da Diretoria de Operações Femininas da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), do Mato Grosso do Sul, Jane Stradiotti, disse que 40% da população carcerária realiza algum tipo de trabalho nas penitenciárias. Se contabilizados os casos de regime semi-aberto, o percentual sobe para 88%.
Para a secretária de Avaliação de Políticas de Autonomia Econômica das Mulheres, da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), Tatau Godinho, a construção das perspectivas profissionais das mulheres nos presídios depende de uma combinação com ações relativas à maternidade.
“Nós sabemos que não há igualdade e possibilidade de emancipação se não tivermos uma forma de que isso venha combinado à maternidade. Para que a encarcerada tenha tranquilidade, tem de saber que seu filho está sendo cuidado como o cidadão integral que tem o direito de ser. Não adianta fazer curso de capacitação se não criarmos um ambiente para que as crianças fiquem. Caso contrário, há evasão”, explicou Tatau.
PASTOR HUGO CHAVEZ RESSOCIALIZANDO PRESIDIÁRIAS NO PARANÁ.
PASTOR HUGO E SUA ESPOSA DENISE NA ENTREGA DE DIPLOMAS PELA CONCLUSÃO DO CURSO DE ESPANHOL.
PASTOR HUGO NA AULA  COMO PROFESSOR VOLUNTÁRIO DE ESPANHOL NOS PRESIDIOS (PARANÁ)
LEMBRAI-VOS DOS PRESOS .....       HEBREUS 13/3

quarta-feira, 24 de julho de 2013

SUPERLOTAÇÃO E INSALUBRIDADE FAZEM CNJ RECOMENDAR O FECHAMENTO DE 5 UNIDADES PARA ADOLESCENTES INFRATORES.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recomendou aos governos do Distrito Federal, do Piauí, do Amapá, da Bahia e do Espírito Santo a desativação de cinco unidades de internação de adolescentes devido a condições precárias de funcionamento. Situações de superlotação e insalubridade foram detectadas em inspeções feitas pelo órgão no ano passado, repetindo experiência já feita em 2010.
Em Brasília, o CNJ pediu o fechamento da Unidade de Internação do Plano Piloto, antigo Centro de Atendimento Juvenil Especializado (Caje), reiterando recomendação de 2010. O relatório indica que a lotação da casa chegou a 426 adolescentes, sendo que há espaço para apenas 160 internos. O conselho ainda aponta que, em agosto e setembro do ano passado, três internos foram assassinados por colegas dentro da unidade.
No Piauí, o CNJ encontrou “péssimo estado físico” no Centro Educacional de Internação Provisória, com alojamentos em "local escuro, sujo, insalubre e sem condições de habitabilidade”. Alguns jovens passam o dia trancados, e o CNJ recebeu denúncias de que os adolescentes são agredidos pelos funcionários do local.
Duas unidades dedicadas à internação de jovens em Macapá apresentaram os mesmos problemas da primeira visita: ambiente insalubre, estrutura inadequada de prisão e ociosidade dos adolescentes. As juízas do CNJ encontraram “abundância de mosquitos e até retorno de água do esgoto, por entupimento em uma das celas".
Outra recomendação é a desativação da Comunidade de Atendimento Socioeducativo de Salvador devido ao aspecto prisional das instalações, com espaço reduzido para os internos. O órgão reiterou ainda o pedido de demolição da Unidade de Internação Feminina de Cariacica (ES). “A parte administrativa está situada, em parte, dentro de contêineres, os quais, anteriormente, eram utilizados como alojamentos”, relataram as magistradas.
Pastor Hugo Chavez e sua esposa Denise Chavez da I.M.C evangelizando menores infratores no Paraná.

NÃO JULGUEIS , PARA QUE NÃO SEJAIS JULGADOS.    Mateus 7/1

INÉDITO :DETENTAS CONCLUEM CURSO DE ESPANHOL DENTRO DO PRESÍDIO.


Com muito orgulho no dia 17 de julho participamos da formatura do curso de espanhol no presidio feminino.
Ao total 18 detentas concluiram o curso , durante 5 meses se esforçaram com o objetivo não simplesmente de ganhar remição,  se não de aprender uma nova lingua.
Os certificados foram entregue pelo gerente da Microcamp Hauer Murilo Haddad e o cordenador Samuel da Silva.
Para Ana Rita do PDI Piraquara , esta oportunidade manifesta o interesse da Secretaria de Justiça , para levar cursos  que capacite o detento , com vista ao seu futuro fora do presidio.
A reinserção da detenta na sociedade é também prioridade para a direção do presidio feminino, diz Alexandra , vice-diretora da unidade .
Murilo Haddad destaca que Microcamp aceitou a parceria com a Secretria de Justiça , e o Pastor Hugo Chavez , porque acredita na recuperação do presidiario.
Em representação das detentas Amalia falou da alegria de todas elas , por poderem fazer um curso de lingua
dentro da unidade : muitos pensam que nós presidiarias não queremos nada com a vida ,eles estão muito equivocado, nossos erros do passado devem ficar para atrás , depois de pagar nossa pena , nós queremos recomeçar nossa vida . Fernanda outra das aluna diz : é muito importante que instituições e pessoas acreditem na ressocialização do detento , como no caso do Pastor Hugo Chave e Microcamp ; agradecemos muito ao professor Hugo Chavez pelo empenho e dedicação de nos dar este curso básico de lingua espanhola.
0 Presidio Central Feminino de Piraquara no Paraná , tem atualmente aproximadamente 200 detentas no
 antigo local da PCE em regime fechado.
A unidade começou a funcionar no final do ano passado , como forma de desafogar os distritos policiais que estão superlotados com muitas detentas já condenadas pela justiça.
Pastor Hugo Chavez , que é professor voluntario na parceria com a Microcamp , diz que os cursos são uma oportunidade para interagir e estimular a autoestima das detentas , como  também ensinar as coisas mais importantes da lingua espanhola.
 Foram meses muito proveitosos , muitas vezes elas vinham desanimadas , devido  que nem todas recebem visitas , por serem de lugares distantes , e nós no final da aula fazíamos uma oração em conjunto e as viamos retornando para suas galerias todas animadas e alegre.
Pastor Hugo pede oração para o povo de Deus , a fim de continuar com os cursos voluntário de lingua espanhola , como também com os trabalhos evangelisticos em diversas unidades penais e evangelismo de menores infratores .
Estamos na direção de uma pequena igreja evangélica , os trabalhos evangelisticos e de ressocialização são  realizados em varias unidades penitenciarias , os cursos de lingua espanhola são completamente voluntários , assim que apelamos a sua sensibilidade cristã e deixamos o número de nossa conta para que você nos ajude a continuar com esta obra de recuperação de presidiarios.
DIOS LOS BENDIGA !!!

MURILO HADDAD DIRETOR DA MICROCAMP E SAMUEL DA SILVA GERENTE ENTREGAM OS CERTIFICADOS DE CONCLUSÃO AS ALUNAS (DETENTAS) DO CURSO DE ESPANHOL:

















PASTOR HUGO CHAVEZ E SUA ESPOSA DENISE CHAVEZ



CONTRIBUA : CONTA CAIXA E. FEDERAL AGENCIA 3379 / CONTA CORRENTE 001-22433-0

Estava nu , e vestiste- me ;adoeci , e visitaste-me ; estive na prisão , e fostes me ver.  MATEUS 25/36

segunda-feira, 22 de julho de 2013

BRASILEIROS :CAIU PARA 57% O NÚMERO DE CATÓLICOS , 28% SÃO EVANGÉLICOS.

.

O número de brasileiros que se declaram católicos caiu de 64% em 2007, quando houve a última visita de um Papa ao país, para 57% em 2013, segundo pesquisa Datafolha publicada  pelo jornal “Folha de S. Paulo” neste domingo (21). Os dados foram divulgados na véspera da chegada do Papa Francisco ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, que será iniciada nesta segunda-feira (22).
No mesmo período, a população de evangélicos pentecostais passou de 17% para 19%, a de evangélicos não pentecostais de 5% para 9% e a de espíritas kardecistas se manteve em 3%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
A pesquisa foi realizada nos dias 6 e 7 de junho. Foram feitas 3.758 entrevistas em 180 municípios brasileiros. A porcentagem da população católica é a menor da série histórica do Datafolha, iniciada em 1994. Na época, 75% dos brasileiros eram católicos, 10% evangélicos pentecostais, 4% evangélicos não pentecostais e 4% espíritas kardecistas. O menor número de católicos registrado desde então havia sido em 2011, com 62%.
Entre os católicos, 26% consideram que o Papa Francisco é melhor que seu antecessor, o Papa Bento XVI; 50% acham que os dois são iguais, e apenas 3% consideram Francisco pior.
Participação
A pesquisa também fez questionamentos sobre a participação dos entrevistados na igreja. Entre os católicos, apenas 17% costumam ir à missa e outros serviços religiosos mais de uma vez por semana. Quando é questionada a presença apenas uma vez por semana, o número sobe para 28%.
Ainda entre os católicos, 21% dizem ir à igreja uma vez por mês, e 7% assumem que não a frequentam.
Os números também apontam que 34% deles têm o hábito de contribuir financeiramente com a Igreja, com um valor médio mensal de R$ 23.
A participação parece é menor que a encontrada em outras religiões. Entre os evangélicos pentecostais, 63% vão à igreja mais de uma vez por semana, 52% contribuem financeiramente, e o valor médio é de R$ 69,10 mensais.
Entre os evangélicos não pentecostais, 51% vão à igreja mais de uma vez por semana, 49% contribuem financeiramente, e o valor médio é de R$ 85,90 mensais.
Já entre os espíritas kardecistas, 23% costumam participar de serviços religiosos, 16% contribuem financeiramente e o valor médio é de R$ 42 mensais.
Orientações religiosas
Os católicos também são os menos sujeitos a seguir as orientações políticas dadas por sua igreja, segundo o Datafolha. Apenas 5% dos entrevistados que se disseram católicos afirmaram ter votado em um candidato recomendado pela Igreja, e 11% consideram importante a opinião dos religiosos durante a campanha.
Entre os evangélicos pentecostais, os números sobem para 18% e 21%, respectivamente. Entre os evangélicos não pentecostais, 14% votaram em candidato recomendado e o mesmo número considera a opinião dos religiosos importante. Entre os espíritas kardecistas, os números caem para 3% e 12%.
Temas polêmicos
Os entrevistados também foram questionados acerca de temas polêmicos entre as religiões.
Em relação a leis que criminalizem o aborto, 22% dos católicos se disseram contra; o mesmo foi respondido por 16% dos evangélicos pentecostais, 23% dos evangélicos não pentecostais e 42% dos espíritas kardecistas.
Entre os católicos, 36% disseram ser contra a legalização da união de homossexuais. Entre os evangélicos pentecostais, 63% se disseram contra. O número cresce entre os evangélicos não pentecostais - 68% - e cai entre os espíritas kardecistas – 21%.
A adoção de crianças por casais gays é rejeitada por 42% dos católicos, 66% dos evangélicos pentecostais, 73% dos evangélicos não pentecostais e 31% dos espíritas kardecistas.
O número dos que são contra uma lei para punir a homofobia é menor em todas as religiões – 16% dos católicos, 24% dos evangélicos pentecostais, 21% dos evangélicos não pentecostais e 11% dos espíritas kardecistas.

A RELIGIÃO PURA E IMACULADA PARA COM DEUS E PAI É ESTA : VISITAR OS ÓRFÃOS E AS VIÚVAS NAS SUAS TRIBULAÇÕES , E GUARDAR-SE DA CORRUPÇÃO DO MUNDO.
                                            Tiago 1/27 

COLÔNIA PENAL AGOINDUSTRIAL DO PARANÁ 1400 DETENTOS : OREMOS ESTA SEMANA POR ELES.


Colônia Penal Agrícola do Paraná - CPA



Estabelecimento Penal de segurança média, destinado a presos do sexo masculino, em cumprimento da pena, gozando do benefício do regime semi-aberto.

Avenida Brasília s/n
83301-970 - Piraquara-Paraná
Fone: (41) 3589-8600 - Fax.: (41) 3673-1321
E-mail: cpa@depen.pr.gov.br
Diretor: Ismael Salgueiro Meira
Vice-Diretor: Blacito Sampaio

História e Competências

Realizou-se no Rio de Janeiro em 26 de Outubro de 1940 a Conferência Penitenciária Brasileira que culminou com a criação das Penitenciárias Agrícolas. Participou do evento o Dr. Fredericindo Marés de Souza, Diretor da Penitenciária do Estado (Ahú), que daria seqüência aos estudos de implantação do Regime Semi-aberto no Paraná.

O Interventor Federal no Estado Dr. Manoel Ribas, através do Decreto Nº 10.754 de 11/12/1940, desapropriou 11.494.435 m² (onze milhões quatrocentos e noventa e quatro mil, quatrocentos e trinta e cinco metros quadrados) de terras do imóvel denominado "Fazenda Palmeira", no município de Piraquara, ao preço de R$ 120:000$000 (cento e vinte contos de réis). Declarou a urgência da desapropriação, para efeito da imediata emissão de posse do mesmo imóvel.

A partir de 18 de Junho de 1941 em caráter experimental com 30 presos, passava a funcionar a 2ª unidade penal do Estado do Paraná com a denominação de Penitenciária Agrícola do Estado, destinada a delinqüentes primários, do sexo masculino, cujos antecedentes, comportamento carcerário, personalidade e circunstâncias do crime, após haverem cumprido parte da pena na Penitenciária, dariam seqüência ao cumprimento da mesma em Regime Semi-aberto, até serem colocados em Liberdade Condicional.

Em 16 de Outubro de 1942 através do decreto Lei Nº 85, o Interventor Federal no Estado João de Oliveira Franco, desapropria mais 174 (cento e setenta e quatro alqueires) de terras na mesma região ao preço de R$ 65:000$000 (sessenta e cinco contos de réis). Somente em 17 de Dezembro de 1943 através do decreto Lei Nº 197, foi oficialmente criada a Colônia Penal Agrícola, sendo subordinada ao Diretor da Penitenciária do Estado (Ahú) e Casa de Detenção anexa nas dependências da mesma. Iniciado o novo sistema, em 1943 contava com 70 presos beneficiados pelo novo regime, participando de atividades agrícolas, avícolas e pecuárias. No Governo Ney Braga em 1963 foi iniciada as obras da atual sede Administrativa da Colônia, sendo inaugurada em 31 de Outubro de 1964 .

A partir de 23 de Julho de 1991, através do Decreto nº 609, a Colônia Penal Agrícola constitui-se em unidade administrativa de nível sub-departamental do DEPEN, como estabelecimento destinado a presos do sexo masculino em regime semi-aberto como prescreve a Lei de Execuções Penais.

Escola

Reformada com recursos do Fundo Penitenciário e mão-de-obra dos presos da CPA, para alfabetizar e profissionalizar os internos da Colônia Penal.

O estabelecimento conta com uma área de 288,68 alqueires de terra, onde são desenvolvidos projetos Agro-pecuário e industrial, destinados a auxiliar na manutenção do Sistema Penitenciário do Paraná.

Atualmente sua capacidade é de 1361 presos, mantendo-se dentro desse limite populacional. Destes, 97,2 % da população carcerária emprega sua mão-de-obra nos 92 canteiros de trabalho e atividades industriais, conservação, manutenção, cozinha, olaria, agropecuária, rouparia, barbearia, e construção civil.

Competências

Promover a reintegração social dos presos e o zelo pelo seu bem-estar através da profissionalização, educação, prestação de assistência jurídica, psicológica, social, médica, odontológica, religiosa e material.

Estrutura Física

  • Ocupação da área: 1.656,65ha Área construída: 22.388,00m²
  • Área com benfeitorias e estradas: 27,88ha Administração/Setores Técnicos: 4.087m²
  • Área florestada: 109,03ha Segurança/Refeitório e Alojamentos: 5.643m²
  • Área destinada à agropecuária: 444,35ha Canteiros de Trabalho: 9.520m²
  • Área ocupada através de convênios: 178,06ha Recreação: 1.117m²
  • Área alagadiça (barreiro/areal): 54,39ha Moradias de funcionários: 1.680m²
  • Área alagadiça e não utilizada: 632,94ha 

Parque Industrial

Conta com barracões distribuídos numa área

superior a 5.000 m², utilizados por empresas de diferentes ramos de atividades, com objetivo de ofertar novas alternativas de profissionalização para os detentos. Inicialmente será absorvida mão-de-obra de 120 detentos; O controle de acesso dos internos aos canteiros do Parque Industrial é feita através de um crachá de identificação, com código de barras, cujo sistema automatiza o controle efetivo dos dias e horas trabalhadas para efeito de remição de pena dos detentos.

Empresas instaladas no Parque Industrial da Colônia Penal Agrícola através de convênio com o Fundo Penitenciário.

Paraná Esporte - "Projeto Pintando a Liberdade"Absorve mão-de-obra de 20 internos na fabricação de bolas de futebol de campo e de salão, redes esportivas e bonés. O projeto é uma iniciativa do Ministério do Esporte e Turismo com objetivo de promover as atividades esportivas dos menores carentes.
Auto Capas e Capotas Felipe Ltda
Produz capotas para todos os tipos de pick-up nacionais e importadas, redes para caçambas, capas para carros, capas marítimas, sacos de areia para carrocerias.
Flexi Office Store
Industrialização e pintura de aglomerado de fibra de madeira de média densidade, em peças para móveis de escritório.



Diretores
Período
Dr. Fredericindo Marés de Souza
1941 a 1944
Dr. Francisco Accyoly R. da Costa
1945 a 1947
Dr. Pedro Ivo Laffitte Rocha
1947 a 1948
Tnte. Cel. Elizio da Costa Marques
1948 a 1951
Dr. José Muniz de Figueiredo
1951 a 1955
Dr. Luiz Américo Teti
1955 a 1956
Adeodato Torres Nogueira Administrador
1956 a 1960
Ubiratan Pompeo de Sá - Administrador
1960 a 1961
Pedro Martins de Oliveira - Administrador
1962 a 1966
Leonel Smolka - Administrador
1966 a 1969
Narbal Oreste May - Administrador
1969 a 1969
Capitão João Otto Escholz
1969 a 1973
Major José Justiniano Dias Paredes
1973 a 1974
Cel. Tito Américo dos Santos Silvado
1974 a 1979
Dr. Syrthon Loures Martins
1979 a 1981
Dr. Luiz Gonçalves Dos Santos
1981 a 1982
Dr. Rui Leão Muller
1982 a 1983
Dr. Jorge Derbli
1983 a 1984
Dr. Paulo Afonso Francisco Carvalho
1984 a 1985
Dr. Paulo Edson de Macedo Pacheco
1985 a 1986
Dr. Oromar Antonio Córdova
1986 a 1987
Dr. Maurício Kuehne
1987 a 1988
Dr. Daniel Romaniuk da Silva
1988 a 1988
Dr. Francisco Jose A. de S. Branco
1988 a 1989
Dr. Antonio Cesar Dos Santos Franco
1989 a 1991
Dr. Rubens Bittencourt
1991 a 1992
Dr. Antonio Cesar dos Santos Franco
1992 a 1994
Dr. José Guilherme Assis
1994 a 1995
Dr. Antonio César dos Santos Franco
1996 a 2000
Dr. Ronaldo Portugal Bacellar
03/00 a 11/00
Dr. Lauro Luiz de Cesar Valeixo
11/00 a 12/02
João Krainski Neto
12/02 a 04/04
Dra. Margarete Rodrigues
04/04 a 13/04/05
Dr. Lauro Luiz de Cesar Valeixo14/04/05 a 03/01/2011
Jose Roberto Rodrigues Santos03/01/11 a 09/08/2011 
Jaycler Marques da Silva09/08/11 a 01/04/2012
Ismael Salgueiro Meira01/04/12 a




LEMBRAI-VOS DOS PRESOS, COMO SE ESTIVESSEIS PRESOS COM ELES . Hebreus 13/3